Dois artistas mineiros estão entre os selecionados ao 7º Prêmio EDP nas Artes

0
143
Anúncio dos premiados está previsto para outubro, junto com abertura de exposição no Instituto Tomie Ohtake

Davi de Jesus do Nascimento
O Instituto Tomie Ohtake e a EDP, com o apoio do Instituto EDP, anunciam os 10 artistas selecionados, entre os 456 inscritos, provenientes de 21 Estados brasileiros e do Distrito Federal, nesta sétima edição do Prêmio EDP nas Artes. Os artistas mineiros Davi de Jesus do Nascimento, de Pirapora, e Luana Vitra, de Contagem, compõem a seleção.

Davi de Jesus do Nascimento é barranqueiro curimatá, arrimo de muvuca e escritor fiado. Gerado às margens do Rio São Francisco – curso d’água de vida e pesquisa – trabalha coletando afetos da ancestralidade ribeirinha e percebendo “quase-rios’’ no árido. Foi criado dentro do emboloso da cumbuca de carranqueiros, pescadores e lavadeiras. O peso de carregar o rio nas costas bebe da nascente dos primeiros sóis que chorou na vida.

Já Luana Vitra é artista plástica, dançarina e performer. Cresceu em Contagem, cidade industrial que fez seu corpo experimentar o ferro e a fuligem. Gestada entre a marcenaria (pai) e a palavra (mãe), se movimenta como reza em busca da sobrevivência e da cura das paisagens que habita. Entende o próprio corpo como armadilha, e sua ação como micropolítica na lida com a materialidade que seu trabalho evoca.

Além deles, foram selecionados ainda: Arivanio Alves, Quixelô – CE; Emerson Munduruku – Uyra Sodoma, Manaus – AM; Érica Storer de Araújo, Curitiba – PR; Felipe Rezende, Salvador-BA; Gu da Cei, Ceilândia – DF; Hariel Revignet, Goiânia – GO; Talles Lopes, Anápolis – GO; e Yná Kabe Rodríguez, Brasília – DF.

Do total de inscrições, foram pré-selecionados 20 nomes, mediante análise de portfólio, desempenhada por um júri composto pelos artistas Arthur Chaves, Dora Longo Bahia e Elilson e pelos curadores Amanda Carneiro e Theo Monteiro. Após entrevistas individuais por vídeo-chamada, definiu-se a lista dos 10 selecionados. O grupo receberá acompanhamento personalizado da equipe de jurados para o processo de realização das respectivas obras. Este acompanhamento, oportunidade rara para jovens artistas, implementa os critérios para a escolha dos três premiados.

A premiação se completa com a exposição dos trabalhos dos 10 artistas no Instituto Tomie Ohtake. A abertura da exposição e o anúncio dos três premiados com residências internacionais, deverá acontecer em 1º de outubro deste ano, data a ser confirmada em função das orientações sanitárias e governamentais a respeito do controle da pandemia da Covid-19.

Voltado para estimular a produção artística contemporânea, o Prêmio EDP nas Artes é dedicado a jovens artistas de todo o Brasil, nascidos ou residentes no país há pelo menos dois anos, com idade entre 18 e 29 anos. A iniciativa, além da premiação, contempla uma série de atividades ao longo do ano, como cursos, palestras, lives e workshops em regiões brasileiras onde o acesso à arte contemporânea é mais restrito.

Na edição anterior, em 2018, os três premiados com residências artísticas internacionais foram Marie Carangi (Recife – PE, 1989); Elilson (Recife – PE, 1991) e Iagor João Barbosa Peres (Rio De Janeiro – RJ, 1995).

Foto:

Luana Vitra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here