Estreia mundial do documentário CHICO REI ENTRE NÓS

0
283

CHICO REI ENTRE NÓS, primeiro longa da diretora Joyce Prado, terá sua estreia mundial durante a 44a Mostra Internacional de Cinema, que esse ano acontece em formato online, entre os dias 22 de outubro e 04 de novembro. O filme tem como ponto de partida a história de Chico Rei e explora os ecos da escravidão brasileira na vida das pessoas negras nos dias de hoje, entendendo seus desafios e indicando alguns caminhos.

O filme partiu de uma ideia original da Abrolhos Filmes e após um longo trabalho de pesquisa chegou-se no recorte atual, onde CHICO REI ENTRE NÓS investiga quem foi Chico Rei, também conhecido como Galanga, e conta sua história de amor à sua comunidade. Segundo se conta, através da tradição oral, principalmente na região de Ouro Preto, em Minas Gerais, Chico Rei, foi trazido do Congo, onde era Rei, para o Brasil em 1740, e ele compra a própria liberdade, e após esse acontecimento, libertou muitas pessoas ao seu redor. Em gratidão, elas o coroaram em uma cerimônia que ficou conhecida como “Reinado” que ocorre anualmente na cidade de Ouro Preto.

O documentário busca entender quem são os Chico Reis dos dias de hoje, mostrando ao espectador o quão emancipador pode ser o sentimento de pertencimento à um coletivo, “A história das pessoas negros nos países colonizados, quando narrada, é geralmente contada através da perspectiva dos colonizadores. Pouco ou nada se sabe sobre quem foram as milhões de pessoas trazidas para o Brasil durante a escravidão. A População do país que precisa conhecer e reconhecer a história de seus antepassados. Compreender o impacto de suas ações para a sociedade atual.”, explica a diretora.

Joyce Prado ainda completa: “Ao longo do processo histórico de construção da nação, fomos marginalizados e desprovidos de nossa auto-estima. As nossas vidas foram continuamente apagadas e reprimidas; nosso direito de existir foi recusado. Como chegamos ao ponto em que estamos?  Qual é a nossa verdadeira história?”.

Ao apresentar Chico Rei, o filme realiza uma contranarrativa ao apresentar a trajetória de resistência das pessoas negras e seus coletivos durante o período da escravidão, uma perspectiva negra sobre parte da história brasileira. Da mesma forma, os outros personagens narrados no documentário também encontram a si mesmos a partir da organização em grupo, mostram que o impacto é possível.

A narrativa de CHICO REI ENTRE NÓS é construída em um formato de “cartografia visual”, ou seja, busca por rimas entre o passado e o presente, mostrando por entre as linhas nas placas de rua, e construindo um mapa emocional da vida das pessoas negras. Enaltece a resistência negra no formato de arte, canto e dança, ocupação e construção, preservação e transmissão de conhecimento.

A equipe de filmagem de CHICO REI ENTRE NÓS foi inteiramente feminina e majoritariamente negra, fazendo com que os negros sejam protagonistas do filme em frente as câmeras, e donos de sua própria história. “Eu acredito que essa é a única maneira através da qual conseguimos falar com as pessoas negras ao redor do globo, que passam pelas mesmas lutas que nós; e também para todos aqueles que querem conhecer um pouco mais da nossa história. Nós precisamos entender que não estamos sozinhos. Nosso poder está em nos mantermos juntos, em existirmos coletivamente. “Auê, Chico Rei!”.”, completa a diretora Joyce Prado.

Sinopse

Chico Rei foi um rei congolês escravizado que libertou a si e aos seus súditos durante o Ciclo de Ouro em Minas Gerais. Sua história é o ponto de partida para explorar os diversos ecos da escravidão brasileira na vida das pessoas negras e da sociedade de hoje, entendendo seu movimento de autoafirmação e liberdade a partir de uma perspectiva coletiva.

Ficha técnica  

Direção: Joyce Prado

Produção: André Sobral

Produção Executiva: Juliana Vedovato e Laura Barzotto

Roteiro: Natália Vestri  e Joyce Prado

Pesquisa: Luana Rocha

Direção de Fotografia: Nuna Nunes

Técnica de som: Evelyn Santos

Edição: Tatiana Toffoli

Edição de som: João Victor dos Santos

Correção de cor: Henrique Raganatti

Trilha sonora original: Sérgio Pererê com uma faixa por Emicida

Produtora: Abrolhos Filmes

País: Brasil

Duração: 95 min

Classificação: Livre

Biografia da diretora 

Joyce Prado é formada em Comunicação Social: Rádio e TV pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e especialista em Roteiro Audiovisual pelo Centro Universitário SENAC. Desenvolve trabalhos na área de cinema documental, ficcional e publicitário como diretora e produtora. Atuou nas produtoras: Primo Filmes, Abrolho Filmes, Gullane, Produtora Associados, Sagaz Filmes, Geral Filmes, Timore AV e Cinema Zungu.

Realiza consultoria de projetos sendo os mais recentes nos festivais Visões Periféricas (RJ), Lab Negras Narrativas (SP), FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental | Lab ABD (GO) .

Em 2014, funda a produtora audiovisual Oxalá Produções realizando conteúdos focados na cultura afro-brasileira e diaspórica. As produções dialogam com diferentes gêneros: ficção, documentário e webséries, nos mais distintos formatos e janelas.  Principais trabalhos: long/fic “Zion” (em desenvolvimento), curta/doc “Memórias de Um Corpo no Mundo” (2018), websérie “Cartas de Maio” (2018), curta/doc “Okán  Mímó” (2017), curta / fic “Fábula de Vó Ita” (2016), websérie “Empoderadas” (2015).

Atualmente, é Diretora Administrativa da Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (APAN) com atuação frente a Administração Pública, instituições e empresas relacionadas ao audiovisual. A APAN está presente em todas as regiões do Brasil com mais de 550 pessoas associadas entre pessoas físicas e pessoas jurídicas.

Filmografia da diretora  

• Memórias de um Corpo no Mundo (Joyce Prado, 2018, 34 min)

• Cartas de Maio (Joyce Prado, 2018, 11 episódios curtos com diferentes durações)

• Okàn Mìmó: Olhares e palavras de Afeto (Joyce Prado e Odara Dèlé, 2017, 20 min);

• Fábula de Vó Ita (Joyce Prado e Thallita Oshiro, 2016, 5 min);

• Empoderadas (Renata Martins e Joyce Prado, 2015, 14 episódios com 7 min.)

Sobre a Abrolhos Filmes:

A Abrolhos produziu o longa-metragem documentário “Chico Rei Entre Nós” (Joyce Prado, 2020), selecionado para a 44a Mostra Internacional de São Paulo, 13o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul e 27o Festival de Vitória. Também produziu os curtas-metragens “Solidão 22B” (Jaqueline Vargas, 2016), exibido pelo Canal Brasil, “Chico Rei em Movimento” (André Sobral, 2015), finalista do Prêmio Telas e “Idílio” (André Sobral, 2015), além do média-metragem documentário “Heróis do Brasil – Independência da Bahia” (André Sobral e Fabrício Mendieta, 2012), exibido pela TV Cultura e disponível na plataforma Videocamp.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here