14.1 C
Belo Horizonte
seg, 22 julho 24

Fabiana Justus é diagnosticada com Leucemia Mieloide Aguda

Influenciadora compartilhou informação sobre o diagnóstico por meio das redes sociais na noite desta quinta-feira (25/01); Oncologista esclarece informações sobre o tumor que afeta a medula óssea e é responsável por mais de 11 mil novos casos no Brasil a cada ano

A empresária e influenciadora Fabiana Justus, de 37 anos, publicou um vídeo em suas redes sociais para contar que foi diagnosticada com leucemia, um tipo de câncer hematológico. “Esses dias, que foram os piores da minha vida, não consegui aparecer mesmo, mas vim dar um ‘oi’, explicar o que está acontecendo. Minha vida virou de cabeça para baixo, mas tenho certeza que virá de volta, mas hoje estou mais forte para conseguir falar com vocês. Fui diagnosticada com Leucemia Mielóide Aguda”, relatou.

Ela ainda explicou aos seguidores que está internada realizando a primeira fase do seu tratamento. “Vim para o pronto-socorro por conta de uma dor nas costas esquisita e febre e, desde então, eu não saí mais”.

A Leucemia Mielóide Aguda – tipo mais comum de Leucemia e responsável por 80% dos casos deste tipo de câncer em adultos – atinge a medula óssea e é considerada uma das formas agressivas da doença. No entanto, apesar de provocar alterações rápidas no corpo, quanto antes for descoberta, maiores são as chances de sucesso no tratamento e cura.

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), é estimado 11.540 novos casos de leucemias a cada ano no Brasil. A ocorrência de LMA aumenta ainda com a faixa etária, uma vez que sua incidência é maior acima de 65 anos. No entanto, apesar de ser o tipo mais comum de leucemia, a doença ainda é rara – representando 1% de chance de alguém desenvolver a doença ao longo da vida.

Fatores de risco

De acordo com Mariana Oliveira, oncologista da Oncoclínicas, é muito importante levar em consideração fatores de risco que aumentam as chances do desenvolvimento de Leucemia. “Alguns fatores de risco podem colaborar para o surgimento do câncer. Ou seja, exposição a agentes químicos (como o benzeno), doenças do sangue (mielodisplasia), doenças genéticas (Anemia de Fanconi, síndrome de Down, entre outras) e radioterapia ou quimioterapia prévios”, explica.

Segundo a especialista, não se trata de uma condição hereditária, mas sim de uma doença que ocorre devido a alterações genéticas adquiridas e que acabam por desencadear o surgimento do câncer. “Não há como apontar causas exatas que permitam a prevenção para todos os indivíduos”, destaca Mariana.

De olho nos sintomas

Justamente pela medula apresentar células com mutações genéticas, que começam a se multiplicar de maneira descontrolada e não deixam as células saudáveis se desenvolverem de maneira natural, o paciente pode apresentar anemia.

“O corpo passa a dar sinais de que algo não vai bem e a baixa produção de células sanguíneas saudáveis faz com que haja anemia e infecções, por exemplo. A partir disso, o paciente pode apresentar fadiga, cansaço, palidez, dor de cabeça, falta de ar, tonturas, febre, desmaios e infecções frequentes. Portanto, é muito importante buscar aconselhamento médico para o diagnóstico correto”, comenta a oncologista da Oncoclínicas.

 Outros sintomas são:

  • Fígado e baço aumentados
  • Perda de apetite
  • Perda de peso sem motivo aparente

Quando há a baixa de plaquetas, o paciente pode perceber:

  • Sangramentos
  • Manchas vermelhas na pele
  • Hematomas

Existem outros tipos de LMA?

Sim! A doença não é única e os tipos são diversos dentro da categoria. “Isso se dá justamente pelas mutações genéticas. A partir da identificação, o médico poderá recomendar o tratamento necessário para o paciente”, explica a médica.

Dentre os subtipos, a doença é classificada através de sua alteração citogenética ou molecular. A classificação, realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), possui revisão a cada oito anos e inclui novas informações relevantes dentre os grupos da neoplasia.

Como é feito o diagnóstico?

A Leucemia Mieloide Aguda pode ser confirmada através de exame físico e também com exames laboratoriais. “O médico pode solicitar amostras de sangue e medula óssea, hemograma completo com diferencial, testes genéticos, mielograma, entre outros”, explica Mariana Oliveira.

“No caso do hemograma completo com diferencial, é possível analisar a quantidade de glóbulos vermelhos, brancos e também de plaquetas na amostra colhida. O diferencial detalha ainda quais tipos de células brancas estão presentes”, complementa.

Leucemias agudas e crônicas: qual a diferença?
  • Leucemia linfoide crônica (LLC): afeta células linfóides e se desenvolve de forma lenta. A maioria das pessoas com LLC tem mais de 55 anos, e ela raramente afeta crianças. É uma doença adquirida, e não hereditária;
  • Leucemia mieloide crônica (LMC): afeta células mieloides e se desenvolve vagarosamente, a princípio. Acomete principalmente adultos. Pode causar anemia, fadiga, infecções, sangramentos e outros problemas colaterais, mas alguns pacientes são totalmente assintomáticos;
  • Leucemia linfoide aguda (LLA): afeta células linfóides e agrava-se de maneira rápida. É o tipo mais comum em crianças pequenas, mas também ocorre em adultos;
  • Leucemia mieloide aguda (LMA): afeta células mieloides e avança rapidamente. Ocorre tanto em adultos quanto em crianças, mas a incidência aumenta à medida que a pessoa envelhece.
Tratamento

Apesar da LMA ser uma doença agressiva, o prognóstico é bastante positivo quando descoberta e tratada o quanto antes. “O tratamento recomendado irá depender da idade do paciente e também dos fatores de risco, envolvendo questões citogenéticas e moleculares. Dentre o processo, pode ser indicado a quimioterapia, terapias alvo e transplante de medula óssea”, explica a oncologista.

Vale lembrar ainda que na leucemia mielóide aguda, a etapa de manutenção do tratamento só é necessária para os casos de leucemia promielocítica aguda (um subtipo especial de LMA relacionado a hemorragias graves no diagnóstico). Nesses casos, existe uma mutação genética específica que pode ser detectada nos exames da medula óssea, e o tratamento com uma combinação de quimioterapia e comprimido oral (tretinoína) possibilita taxas de cura bastante elevadas.

“Justamente por ser uma doença heterogênea, cada paciente pode reagir de diferentes maneiras ao tratamento. Além disso, a boa notícia é que durante a fase inicial da quimioterapia, a remissão da neoplasia pode chegar entre 50% a 85%”, finaliza.

Posts Relacionados

Savassi Festival tem programação gratuita com o melhor do jazz

O Savassi Festival continua a escrever sua história de...

Como Sobreviver em Festas e Recepções com Buffet Escasso

“Imagine-se em uma cerimônia religiosa de casamento. Você escolhe,...

Uma visita fantástica ao Berço do Samba

Por Sérgio Steiner No último dia 13 de julho, a...

Diferentes tipos de tomate e como adequar cada um em sua receita

Muito utilizado no preparo de saladas, molhos e até...

Novidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui