24.6 C
Belo Horizonte
dom, 26 maio 24

O retrato é muito mais do que uma simples foto

Fotógrafa conta que a imagem pode ser uma ferramenta para expressar os sentimentos e personalidade de cada ser

Foto de behrouz sasani na Unsplash

Engana-se quem pensa que retrato e fotografia se baseiam em um único contexto. Às vezes, as duas coisas se fundem, mas não possuem o mesmo significado. A fotografia registra qualquer tipo de imagem, enquanto o retrato capta pessoas, em grupo ou sozinhas. A forma como o fotógrafo vê as coisas é sempre poético. O retrato vai além do que costumamos ver nele. Ele transmite ideias, sensações e sentimentos únicos nas pessoas, o que a torna uma forma de expressão artística. Ele apresenta uma existência tão marcante que seu papel na vida social pode ser percebido sem dificuldades.

O principal objetivo de um retrato é transmitir a expressão e personalidade do modelo. Emoções e atitudes são impressas em fotos, permitindo um diálogo entre o espectador e a pessoa retratada. A habilidade do fotógrafo vai além da sua destreza técnica, não bastando apenas conhecer bem o funcionamento do equipamento fotográfico. É preciso interagir com as pessoas envolvidas para que elas demonstrem suas emoções através das lentes. “Risadas contagiantes, expressões sóbrias e caretas, quando captadas de forma natural, com movimento, fazem toda a diferença no resultado, desde que tenham a ver com o real estilo do fotografado. E sempre marcam muito mais que fotos estáticas, embora estas também tenham o seu valor e utilidade”, conta Nina Fernandes, retratista com 22 anos de experiência.

Nas fotografias de retrato, a composição do enquadramento pela área do ombro e rosto proporciona maior proximidade e conexão com o modelo. Sendo assim, se a intenção é ressaltar a expressão do rosto, principalmente dos olhos, esse posicionamento é o ideal. “Muitos trabalhos considerados geniais prezam por essa forma de retratar. Se o fotógrafo tiver sensibilidade para ajustar mais elementos de cena, como decoração, pessoas ao redor, iluminação e outros fatores, pode compor verdadeiras obras de arte da fotografia”, destaca Nina.

Lendo as pessoas por meio dos retratos

A habilidade de fazer uma leitura das pessoas talvez requeira certo tempo e treino, mas é essencial para evoluir como fotógrafo. A conexão com os fotografados é fundamental. É necessário estar atento ao comportamento das pessoas durante as sessões, pois elas não são modelos. Além disso, é preciso verificar se eles sentem-se confortáveis na posição e no local onde estão, para que seu trabalho flua e o foco não seja perdido.

A retratista acrescenta que conversar com os fotografados, contar histórias e descontrair, é o que vai resultar em trabalhos autênticos, com uma marca pessoal. “Você retrata pessoas e, no final, a imagem dos outros transfere a sua própria personalidade por meio daquilo que o seu olhar captou,” finaliza a retratista.

Fonte: Nina Fernandes, retratista com 22 anos de experiência, com atuação em BH e região. Foto de Capa: Christian Wiediger na Unsplash

Posts Relacionados

Francisco, el Hombre saúda a latinidade no single em BH

Celebração é uma palavra constante na história da Francisco, el...

Confira o que fazer em BH neste final de semana

reuniu inúmeras opções do que está acontecendo em BH...

Mineiro conquista medalha Olimpíada Internacional de Filosofia

O estudante Bernardo Guimarães Ferreira, do Colégio Santo Agostinho...

CCBB BH mergulha na arte afro-brasileira

Ao longo de séculos é a visão do branco...

Novidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui