19.8 C
Belo Horizonte
seg, 27 maio 24

Aumentam os casos de Lúpus em Belo Horizonte

A capital mineira registra uma média de 1200 novos casos por ano e Sociedade Mineira de Reumatologia alerta para o tratamento adequado da doença que atinge principalmente as mulheres em idade fértil

Comemorado no dia 10 de maio, o Dia Internacional da Atenção às Pessoas com Lúpus, é uma importante data que visa aumentar a conscientização sobre a doença e apoiar aqueles que vivem com ela. Com aproximadamente 65 mil casos diagnosticados anualmente, o Brasil é um dos países com maior incidência da doença no mundo. Em Minas Gerais, cerca de 3.500 novos casos são identificados anualmente, contribuindo significativamente para essa estatística nacional. Em Belo Horizonte, a incidência é ainda mais preocupante, com uma média de 1.200 novos casos por ano.
O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma condição em que o sistema de defesa do corpo se volta contra ele mesmo, atacando seus próprios tecidos e órgãos. Essa patologia pode impactar uma variedade de sistemas do corpo, incluindo articulações, pele, rins, células sanguíneas, cérebro, coração e pulmões. É uma condição séria que pode levar à morte, sem o devido tratamento.
De acordo com Maria Fernanda Guimarães, presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia, essa doença atinge pessoas em qualquer idade, porém entre 20 e 45 anos são os mais afetados. As causas exatas da doença ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos, hormonais e ambientais desempenhem um papel importante. Acredita-se que uma a cada 1.700 mulheres no Brasil tenha Lúpus. Os sintomas podem variar de leves a graves e podem incluir fadiga, dor nas articulações, erupções cutâneas e danos em órgãos vitais, como rins e coração.
TRATAMENTO
Embora não haja cura para o Lúpus, existem tratamentos disponíveis para controlar os sintomas e prevenir danos aos órgãos. O tratamento é individualizado e pode incluir medicamentos como anti-inflamatórios, corticosteroides, imunossupressores e antimaláricos. Além da medicação, é essencial adotar um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, atividade física regular e proteção solar adequada, já que a exposição ao sol pode desencadear ou piorar os sintomas do Lúpus.
De acordo com Maria Fernanda é possível gerenciar o Lúpus e melhorar a qualidade de vida dos pacientes por meio do diagnóstico precoce, tratamento adequado e o apoio contínuo da família e de um profissional da reumatologia. “Já que se trata de uma doença autoimune bem complexa e que ainda intriga a Medicina. O tratamento deve ser realizado somente após a indicação de um especialista”, alerta a médica.

Posts Relacionados

Francisco, el Hombre saúda a latinidade no single em BH

Celebração é uma palavra constante na história da Francisco, el...

Confira o que fazer em BH neste final de semana

reuniu inúmeras opções do que está acontecendo em BH...

Mineiro conquista medalha Olimpíada Internacional de Filosofia

O estudante Bernardo Guimarães Ferreira, do Colégio Santo Agostinho...

CCBB BH mergulha na arte afro-brasileira

Ao longo de séculos é a visão do branco...

Novidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui