20.8 C
Belo Horizonte
qui, 22 fevereiro 24

Candidíase e infecções fúngicas nas férias, saiba como evitar

A chegada das férias é o momento esperado para realizar viagens ou até mesmo relaxar em casa, porém existe uma preocupação que normalmente é deixada de lado: o risco de candidíase e infecções fúngicas.

Enquanto nos entregamos ao merecido descanso, ambientes úmidos e tropicais podem se tornar terrenos férteis para o crescimento de fungos, aumentando o risco de infecções. A candidíase, em particular, torna-se uma sombra indesejada para alguns, podendo afetar não apenas a saúde física, mas também o bem-estar emocional durante esse período de relaxamento.

As mulheres são mais suscetíveis, pois a Candida albicans é um fungo que faz parte da microbiota vaginal sem causar nenhuma doença, mas alguns fatores podem causar a proliferação deste patógeno, causando a infecção chamada candidíase.

É preciso estar atenta a alguns fatores importantes, como estresse, uso de antibióticos, dieta rica em açúcares, alterações hormonais e ambiente vaginal quente e úmido, que podem causar o desenvolvimento do fungo, o que se torna muito comum em período de férias, principalmente por conta de uma alimentação menos regrada e pelo uso frequente de roupas úmidas e apertadas, como o biquíni.

Suzana Lessa (@drasuzanalessa_), ginecologista e nutróloga, sócia afiliada do Instituto Nutrindo Ideias (@nutrindoideais) de Niterói/RJ, diz que o ambiente quente e úmido proporcionado pela roupa de praia pode ser um fator desencadeante da infecção. “Mas não é por isso que a mulher deve deixar de aproveitar o período de férias na praia e na piscina, portanto, alguns cuidados podem ser tomados para evitar, como não exagerar no consumo de açúcares e bebidas alcoólicas, evitar ficar com o biquíni molhado por muito tempo e procurar usar roupas íntimas com tecidos respiráveis, como os tecidos 100% algodão”.

Os sintomas da infecção fúngica vaginal incluem:

  • Coceira;
  • Ardência;
  • Vermelhidão e inchaço;
  • Dor durante o ato sexual;
  • Corrimento vaginal grumoso.

Os sintomas são bem desconfortáveis e assim que a mulher sentir deve procurar orientação médica para o tratamento adequado.

Ana Niederauer, atuante em dermatologia e mestre em farmacologia do Instituto Nutrindo Ideais (@nutrindoideais) de Campinas/SP, fala que as áreas mais comuns afetadas são a virilha, axilas, dobras da pele, sob os seios, entre os dedos das mãos e pés e prepúcio do pênis. “É importante secar muito bem estas áreas após contato com água e utilizar roupas de tecidos naturais e mais leves, como algodão, por exemplo, e também optar por calçados menos fechados e mais ventilados”.

Como citado anteriormente, é comum no verão que os locais fiquem mais abafados, assim como as pessoas também suam mais, e o tempo de férias e descanso também pode levar ao relaxamento dos cuidados, deixando-nos mais expostos. Erros como utilizar roupas úmidas, calçados fechados em contato com o corpo por tempo mais prolongado estão entre os mais comuns.

Prevenção

Misael do Nascimento – médico atuante em dermatologia e tricologia com ênfase ao público masculino do Instituto Nutrindo Ideais (@nutrindoideais)/RJ, aponta que as medidas preventivas os viajantes podem adotar para reduzir o risco de infecções fúngicas, especialmente em locais turísticos com alta umidade envolvem:

  • Optar por roupas que mantenham a temperatura do corpo estável e diminuem a umidade – além do algodão existem muitas marcas que usam nanotecnologia para diminuir a transpiração em camisas, bermudas e roupas íntimas;
  • Investir na manutenção da integridade da pele com um bom sabonete hidratante (que não seja bactericida)
  • Hidratar o corpo de forma oral e tópica;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como roupas, calçados, toalhas, pentes, e chapéus;
  • Evitar andar descalço em espaços públicos ou constantemente úmidos, como saunas, vestiários e beira de piscinas.

Tratamento

De acordo com Ana, o tratamento convencional está sujeito ao tipo de micose, local atingido e a intensidade do quadro, e isto será determinado pelo seu médico. O tratamento das micoses é mais prolongado, podendo variar em cerca de 30 dias até meses, e inclui a administração de medicações via oral, e/ou tópicos, como cremes e shampoos, por exemplo.

Suzana explica que existem alguns alimentos conhecidos por suas propriedades antifúngicas, como o alho, o orégano, a semente de abóbora e o ácido caprílico presente no óleo de coco. E existem alimentos que podem sim agravar, como o consumo excessivo de alimentos açucarados e ricos em carboidratos refinados que favorecem o crescimento do fungo.

Para manter a saúde íntima em boas condições durante as férias, cuidar da imunidade é sempre importante, porque por si só, já é um fator que pode favorecer infecções. Então, manter uma alimentação variada e rica em nutrientes como frutas e vegetais e evitar alimentos com excesso de carboidrato refinado e açúcar; cuidar da qualidade do sono, pois noites mal dormidas podem afetar o sistema imunológico; ter bons níveis de vitamina D e zinco, evitar roupas coladas e molhadas na região íntima por muito tempo.

Posts Relacionados

Apostas Virtuais: um mergulho no universo dos simuladores e jogos online

As apostas virtuais vêm ganhando cada vez mais espaço...

Mitos comuns sobre Cassinos Online desmistificados

Os cassinos online têm crescido em popularidade nos últimos...

Atriz e cordelista Bianca Freire estreia “3 Contos de Amor”

“Um espetáculo que vem sendo construído desde que eu...

Programação cultural enriquece Carnaval da PBH

Após 23 dias de celebração intensa em todos os...

Projeto Jardim Musical recebe a cantora Lívia Itaborahy

“Soy Sosa – um Tributo à Mercedes Sosa” com...

Novidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui