13.4 C
Belo Horizonte
seg, 17 junho 24

Agosto dourado reforça a importância do aleitamento materno

Índice de amamentação cresce nas últimas décadas, promovendo mais saúde para mãe e bebê

Agosto é um mês especial para a promoção da saúde materno-infantil, com o movimento conhecido como “Agosto Dourado”, que destaca a importância da amamentação para o desenvolvimento saudável dos bebês. A amamentação é um ato natural e essencial que oferece uma série de benefícios tanto para a mãe quanto para o recém-nascido, sendo fundamental para o combate à desnutrição e mortalidade infantil.

No Brasil, o número de crianças amamentadas vem crescendo nas últimas décadas. De acordo com pesquisa realizada pelo Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil – ENANI – 2019, em 1986, o percentual de crianças brasileiras com menos de 6 meses alimentadas exclusivamente com leite materno não passava de 3%. Em 2008, já tinha atingido os 41%. Atualmente, a amamentação exclusiva chega aos 46%. Percentual próximo aos 50% que a OMS estipulou como meta a ser atingida pelos países até 2025. Além disso, seis em cada dez (60%) crianças são amamentadas até completar 2 anos de idade.

O médico ginecologista obstetra, cooperado da Unimed-BH, Antônio Fernandes Lages, explica que a Campanha mundial tem o objetivo de conscientizar sobre os benefícios da amamentação, incentivando a prática para que mais mães possam proporcionar aos seus filhos um início de vida mais saudável e protegido. “O aleitamento promove uma série de benefícios, propicia maior interação da mãe com a criança, é nutritivo e protege a criança de alergias, uma vez que quando a mulher tem contato com produtos alérgenos durante a vida, ela guarda memória imunológica e repassa para a criança através do leite. Além disso, estudos comprovam aumento do QI nas crianças que amamentam até um ano de idade”, explica o médico.

Para as mães, a amamentação também proporciona vantagens significativas. Lages revela que a sucção do bebê durante a amamentação estimula a liberação de ocitocina, o chamado ‘hormônio do amor’. “A ocitocina auxilia na redução do estresse e fortalece o vínculo afetivo entre mãe e filho. Além disso, a amamentação auxilia na recuperação pós-parto, reduzindo o risco de hemorragias e contribuindo para a perda de peso.  Além disso, a amamentação reduz as chances de a mulher desenvolver câncer de mama”, completa.

Dificuldades nos primeiros dias

Embora a amamentação seja uma prática natural, muitas mães enfrentam desafios ao iniciar ou continuar com ela. Dificuldades como dor durante a amamentação, problemas de pega, baixa produção de leite e até mesmo questões culturais podem influenciar negativamente a experiência da mãe.

Lages, que também é membro da Comissão Nacional Especializada de Aleitamento Materno da Febrasgo (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia), revela que o apoio familiar e orientação profissional adequada são cruciais na motivação e auxilio às mães que desejam amamentar. “Consultas de pré-natal bem orientadas, acompanhamento pós-parto adequado e ações que promovam a conscientização sobre a importância da amamentação são fundamentais para o sucesso dessa prática. Neste primeiro momento, é crucial que a mulher não se desespere, pois o bebê nasce com reservas para superar o período de adaptação à amamentação e, por isso, não precisa de alimentação intensa complementar nos primeiros dias”.

O médico cooperado Antônio Fernandes Lages corrobora a importância do preparo da mulher para este momento, uma vez que apenas cerca de 10% das mulheres não conseguem amamentar por algum problema relacionado a mama ou à criança. “Quando bem sucedida, a amamentação afeta a saúde mental, o bem-estar emocional da mãe e eleva a autoestima da mulher, que se sente plenamente realizada ao conseguir passar a nutrição para a sua criança e ao mesmo tempo o carinho e todo o envolvimento que significa o processo de amamentação. Por outro lado, mãe que não consegue amamentar também tem que ser preparada, pois isso pode ser muito frustrante e nem por isso ela precisa se sentir frustrada. São problemas que devem ser superados e a criança vai ser alimentada de forma artificial. Existem formas seguras e muito confiáveis para a alimentação dessa criança”, conclui.

Apoio à mulher

A Unimed-BH é uma grande incentivadora desse ato de amor e de saúde, e apoia o Agosto Dourado, um movimento de informação e apoio ao aleitamento materno, à coleta e à doação de leite materno.

Com o objetivo de propagar a informação, disponibiliza em seu Portal Viver Bem, um conteúdo completo sobre amamentação, com orientações e informações validadas por uma equipe especializada em Atenção à Saúde.

Posts Relacionados

Projeto social impulsiona futebol feminino e transforma vidas

Um projeto em Minas Gerais vem se destacando por...

João Ventura em Belo Horizonte no Clube de Jazs

O pianista, cantor e compositor João Ventura se apresentará...

Começa o Festival do Queijo Artesanal de Minas

Teve início nesta quinta-feira (13/6), a 6ª edição do...

Fernando e Sorocaba levam o Churrasco On Fire para Betim

A dupla Fernando e Sorocaba desembarca na cidade de Betim,...

Inverno Mágico de Tiradentes começa em julho

Para quem gosta de passeios voltados ao tema religioso,...

Novidades

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui