NFT: figurinhas de macacos se tornam as Lamborghinis dessa geração

0
279

‘Bored apes’ comprados por milionários dão acesso a clube exclusivo e são invenção de empresários de Miami que não revelam suas identidades

 

Não é fácil conquistar os macacos estampados acima. Banana? Que nada. Na última semana, o cantor canadense Justin Bieber, de 27 anos, desembolsou US$ 1,29 milhão, o equivalente a R$ 6,9 milhões, para se apropriar de um dos bichos. Dias antes, o jogador Neymar havia adquirido a figura de outros dois animais pelo valor equivalente a R$ 6,2 milhões. Lançada há pouco mais de oito meses, a coleção de arte batizada de “Bored Ape Yacht Club” — com dez mil desenhos digitais de macacos “entediados” — já movimenta cerca de US$ 1,2 bilhão e, para especialistas, consolida uma tendência irrefreável no (ainda) excêntrico universo de NFTs .

Para entender esse admirável mundo novo, recomenda-se, antes, que se dê nome aos bois. Sigla para “tokens não fungíveis”, NFTs (non-fungible token) são peças virtuais únicas autenticadas digitalmente. Isso quer dizer que artigos não palpáveis, como obras de arte eletrônicas, vídeos, músicas, GIFs, memes, tuítes e personagens de games podem ser comercializados como propriedades insubstituíveis, algo garantido por meio de um sistema criptografado chamado “blockchain”. No caso dos macaquinhos acima, por mais que eles sejam reproduzidos e “printados” por qualquer pessoa na web, cada um deles têm, legalmente, apenas um dono.

Especialistas afirmam que a nova tecnologia, movida a criptomoedas, é um papel em branco aberto a possibilidades infinitas. Faz sentido. De 2017 pra cá, muita coisa tem sido vendida e revendida neste formato, não apenas arte. Houve quem comprasse bizarrices como o código genético de um cientista americano e uma escultura invisível, idealizada por um artista plástico italiano, representada pela fotografia de um chão vazio. Isso sem falar no projeto que pretendia comercializar — “como forma de não esquecer antepassados”, segundo seus autores — NFTs com fotos de pessoas escravizadas. A ação considerada racista gerou revolta e, na última semana, foi banida .

Tais exemplos, no entanto, não passam de esquisitices sustentadas por pura especulação, e que logo ficarão para trás, como apontam autoridades no tema. Para entender o futuro da rede NFT, vale, sim, aproximar-se dos primatas da coleção de arte “Bored Ape Yacht Club”. Hoje, as dez mil pessoas que detêm a imagem digital de um dos macacos — quase sempre usados pelos compradores como avatares em perfis digitais (no Twitter, no WhatsApp, no Instagram…) — também têm o direito de explorá-la comercialmente. E mais: os colecionadores integram um seleto clube com acesso a eventos exclusivos. Recentemente, eles foram convidados para uma festa num iate, em Nova York, e a um show de Chris Rock, Aziz Ansari e da banda The Strokes. A turma, que também pode bater papo em ambientes digitais fechados, conta com gente famosa (e endinheirada, é claro), como o apresentador Jimmy Fallon, os rappers Eminem, Snoop Dogg e Post Malone, a socialite Paris Hilton e a tenista Serena Williams.

“Esta coleção de arte traz, como novidade, um componente forte de formação de comunidade”, explica Felipe Ribbe, especialista em Gestão, Inovação e Novas Tecnologias. “Se um famoso tem isso, o outro também quer ter. E aí acaba virando símbolo de status e poder. Mal ou bem, ao colocar a figura de um “Bored Ape” no seu perfil de uma rede social (como fizeram Neymar e tantos outros), a pessoa diz que faz parte de uma tribo superexclusiva e que tem grana. Esses projetos são os novos Rolexes e Lamborghinis dessa geração.”

Mudança de paradigma

Pelo que se vê no mercado, a tendência é que o valor de uma peça de arte digital esteja vinculado, cada vez mais, às vantagens proporcionadas por ela no mundo além da tela. Ainda que muitos artistas plásticos sérios e renomados estejam aderindo ao NFT, não é necessariamente a qualidade estética que está em jogo. A maior parte das coleções, aliás, é criada por meio de técnicas da chamada “arte generativa”, com o uso de algoritmos. Acontece assim: programadores estabelecem coordenadas para que um sistema tecnológico reproduza determinada quantidade de obras diferentes entre si, seguindo os parâmetros de uma base artística.

No dia em que uma coleção em NFT é lançada, com o número limitado de peças previamente informado, o comprador paga um preço fixo e ganha propriedade de uma arte escolhida “ao acaso” pelo sistema. Por sorte, o colecionador pode adquirir uma obra com algum traço raro, como cores e acessórios incomuns, no caso dos primatas do “Bored Ape”.

Foi dessa forma que nasceram os dez mil macaquinhos, invenção de dois empresários na faixa dos 30 anos estabelecidos em Miami, e que não revelam suas identidades. Em abril de 2021, a dupla vendeu cada desenho em NFT por cerca de U$ 200. As imagens viralizaram, medalhões do entretenimento entraram no negócio e… hoje custam milhões.

Passes para experiências

Analistas acreditam que NFTs se tornarão, gradualmente, uma espécie de passe para experiências no mundo real. Inspirado no “CryptoPunks”, primeiro projeto em NFT com figurinhas para uso em redes sociais — e que hoje são valiosas (já movimentaram U$ 1,9 bilhão) apenas pelo caráter histórico associado ao seu pioneirismo —, o “Cryptorastas” é uma das mais bem-sucedidas iniciativas brasileiras na área.

Reprodução
Bored Ape Yacht Club: coleção de arte em NFT com desenhos de macaco faz sucesso

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here