Serpa China cria novo modelo de importação

Serpa China cria novo modelo de importação

98
0
Compartilhar

A empresa mineira Serpa China, do Grupo Serpa, está facilitando as importações para o empresariado com seu novo serviço chamado “Distribuição 4.0”. Por meio dele, ao comprar da China é possível economizar pelo menos 25% em impostos e no momento do repasse ao cliente final.

Com escritórios em Xangai e Ningbo, a Serpa China oferece consultoria completa, desde encontrar os fornecedores adequados, até trazer a carga para o Brasil. O CEO, Ian Lin, e a diretora, Samara Reis, comandam os negócios diretamente do país asiático, junto de sua equipe majoritariamente composta por chineses.

O investimento em uma carteira de clientes diversificada e globalizada é a saída encontrada por muitas empresas brasileiras para ampliar as chances de obter lucro ou mesmo driblar momentos de instabilidade econômica do mercado interno. Mas os custos com a tributação e taxas de operação no Brasil tornam as transações pouco atraentes, dado o alto custo de execução. Foi pensando nesse segmento que a Serpa China, braço do Grupo Serpa no país asiático, criou a “Distribuição 4.0”, um serviço que possibilita maximizar os lucros com importações, eliminando etapas durante esse processo.

O CEO da Serpa China, Ian Lin, explica como o método pode ser uma saída eficaz para o empresário que deseja aumentar suas operações e também os ganhos com seu negócio. “O distribuidor brasileiro passará a estar na China ao invés de estar no Brasil, então ele enviará diretamente de lá para o seu cliente no Brasil ou em qualquer outro país. Com isso, o cliente dele vai importar diretamente da empresa dele de distribuição, só que da China”, afirma.

Na prática acontece da seguinte forma: o empresário procura a Serpa China, que tem sedes em Xangai e Ningbo, para a escolha do fornecedor chinês. Paga 30% como sinal para que seja iniciada a produção que, uma vez pronta, vai direto para o cliente final. Em um processo comum de importação, a mercadoria deveria chegar até o Brasil e ficar depositada até ser remetida ao destinatário final. Na “Distribuição 4.0”, os custos de frete e armazenagem não existem, pois a mercadoria não faz essa parada. Além disso, no caso dos clientes localizados fora do Brasil, ainda são economizados com impostos e taxas, que costumam ser mais elevados no país.

O benefício de importar assim são duas economias que o cliente terá: do imposto de revenda e o transporte interno do Brasil. Com isso são economizados pelo menos 25%. “Dessa forma, é possível transformar o que foi poupado em lucratividade ou ainda investir o montante para tornar seu produto mais competitivo”, sugere Lin.

A Serpa China, que oferece consultoria no momento de localizar os fornecedores chineses, disponibiliza para quem procura pela modalidade de importação o FEP – Financiamento Econômico Personalizado, de forma que não é necessário desembolsar 100% do valor da mercadoria antes do embarque. “Ele vai pagar um sinal para o fornecedor na China e o restante será parcelado de acordo com cada caso em prazos que variam de 30 a 90 dias”, explica Lin, que também ressalta que a Distribuição 4.0 é indicada para as compras a partir de 2 mil dólares, quando os benefícios começam a ser percebidos.

Deixe sua opinião!

LEAVE A REPLY