Livro relata história da criação de rede que atua em defesa dos direitos da comunidade do Confisco, em Belo Horizonte

0
44
No mês em que se celebra o aniversário da capital mineira (12/12), programa Escolas Transformadoras compartilha experiência de rede comunitária formada para enfrentar demandas urgentes do bairro de Confisco

No dia 12 de dezembro é comemorado o aniversário de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. A cidade, em mais de 120 anos de existência, acumula experiências bem-sucedidas realizadas por diferentes atores sociais para ressignificar seus territórios e transformar a vida de suas comunidades. É o caso da Rede Confisco Pela Paz, no bairro do Confisco, formada por representantes da sociedade civil, órgãos públicos e escolas, como a Escola Municipal Anne Frank. A história da criação dessa rede intersetorial é contada no capítulo “Rede Confisco pela Paz: tecendo uma experiência criativa no território”, que faz parte do livro digital “Criatividade – mudar a educação, transformar o mundo “, organizado pelo programa Escolas Transformadoras, correalizado no Brasil pela Ashoka e pelo Instituto Alana.

Situado na região da Pampulha, o bairro Confisco se desenvolveu em torno de um conjunto habitacional construído no fim dos anos 1980 e, mesmo sem condições ou infraestrutura básicas, a população se instalou nas imediações e se mobilizou para reivindicar, junto ao poder público, melhorias na região e o direito a serviços públicos, como saúde, transporte e educação. Nesse cenário surgem escolas municipais na região, como a Escola Anne Frank, que hoje forma, junto com outros atores, a Rede Confisco pela Paz.

A atuação da Rede teve início quando a comunidade percebeu a necessidade de melhorar a convivência entre os frequentadores de um parque, próximo às escolas da região, e ajudar a superar os problemas enfrentados pela comunidade local, como consumo e tráfico de drogas e aumento da violência na área. O risco de perda dos direitos básicos, como ao uso do espaço público, à circulação, à liberdade e à integridade de seus educandos e de toda sua comunidade, fez com que as escolas redescobrissem modos de articular criativamente a educação, a ação política e os interesses da sociedade local.

“É necessário criarmos condições para a reunião de vários atores que possam trabalhar em parceria em busca das oportunidades de transformação. Contudo, a transformação social não ocorre num passe de mágica, muitas vezes nem chegamos a saber quando e onde ela irá se concretizar. Mas, se estivermos bem atentos, podemos percebê-la bem próxima de nós”, diz Sandra Vicente, educadora e uma das autoras do capítulo.

A Rede aproximou pessoas, reuniu diferentes instâncias do município e organizações sociais, reafirmando a potência de diversas equipes que se juntaram para recriar uma realidade e transformar positivamente seu território.

“Vemos a transformação acontecendo quando a comunidade se apropria da sua praça como um espaço efetivo de aprendizagem de múltiplas competências, da arte, do esporte, do exercício do direito e da cidadania. Podemos constatar que há transformação quando já temos muitas histórias para contar”, avaliam as professoras Maria Luiza Viana e Rosane Corgosinho, também integrantes da Rede Confisco.

“Criatividade – mudar a educação, transformar o mundo”
Escrito por estudantes, professores, gestores de escola, pesquisadores, profissionais do setor social e professores universitários, o livro digital aborda a importância da criatividade – uma das dez competências gerais estabelecidas pela Base Nacional Comum Curricular – na superação de desafios na educação e na sociedade. Os capítulos abordam o tema propondo reflexões inspiradas nas experiências relatadas pelos 43 autores e autoras, que assinam os 16 textos da publicação. O e-book já está disponível para download gratuito no site do Escolas Transformadoras. Acesse aqui.

Sobre a Ashoka
Ashoka é uma organização social global fundada em 1981 que congrega quase quatro mil empreendedores sociais em 92 países, e busca colaborar na construção de um mundo de pessoas que transformam (Everyone a Changemaker ), no qual qualquer pessoa pode desenvolver e aplicar as habilidades necessárias para solucionar os principais problemas sociais de hoje e de amanhã.

Sobre o Instituto Alana
Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here