Filarmônica de Minas Gerais celebra o Dia das Mães em concerto ao ar livre no Inhotim neste domingo

0
273

Filarmônica de Minas Gerais vai comemorar o Dia das Mães em concerto especial no dia 12 de maio, às 15h, no museu de arte contemporânea Inhotim, em Brumadinho. Sob regência do maestro associado da Orquestra, Marcos Arakaki, o grande público irá ouvir um repertório diversificado e descontraído com obras importantes da música clássica. O programa traz A marcha do Príncipe da Dinamarca (trompete voluntário), de ClarkeSinfonia nº 40 em sol menor, K. 550: Molto allegro, de MozartEgmont, op. 84: Abertura, de BeethovenPoeta e Camponês: Abertura, de SuppéDança Macabra, op. 40, de Saint-SaënsAbertura Carnaval, op. 92, de DvorákSerenata para cordas, de NepomucenoBatuque, de FernandezSuíte Nordestina, do compositor MaestroDuda. O concerto é gratuito para os visitantes do Inhotim.

“É um grande prazer para a Filarmônica de Minas Gerais levar ao público de Inhotim e às mães de Brumadinho este belo programa que conta a história da música clássica desde 1700 até os nossos dias. Vamos passar por diversos períodos da música e conhecer os instrumentos que formam a Orquestra”, conta o maestro Marcos Arakaki.

Para o diretor-presidente do Instituto Inhotim, Antonio Grassi, o concerto será uma oportunidade singular de integração, além de um momento de reflexão sobre a importância da união das famílias e de toda a comunidade de Brumadinho na superação da tragédia ocorrida em parte da cidade, cerca de três meses atrás.

Maestro Marcos Arakaki

Marcos Arakaki teve seu talento reconhecido a partir de 2001, quando venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes, promovido pela Orquestra Petrobras Sinfônica. Desde então, tem dirigido as principais orquestras brasileiras, além da Filarmônica de Buenos Aires, de Karkhiv na Ucrânia, a Boshlav Martinu na República Tcheca, a Sinfônica de Xalapa e da Universidade Autônoma do México. Concluiu bacharelado em Música pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestrado em Regência Orquestral pela University of Massachusetts. No Aspen Music Festival and School, Estados Unidos, recebeu orientações de David Zinman, Kurt Masur, Charles Dutoit e Sir Neville Marriner. Atuou como regente titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba e assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB). Como regente titular, promoveu uma elogiada reestruturação na Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem. Recebeu o Prêmio Camargo Guarnieri, concedido pelo Festival Internacional de Campos do Jordão, e gravou com a OSB a trilha do filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.

Arakaki tem acompanhado importantes artistas, tais como Gabriela Montero, Sergio Tiempo, Anna Vinnitiskaya, Sofya Gulyak, Ricardo Castro, Pinchas Zukerman, Rachel Barton Pine, Chloë Hanslip, Luíz Fílip, Victor Julien-Laferrière, Günter Klaus, Eddie Daniels, David Gérrier e Yamandu Costa.

Desenvolve atividades como coordenador pedagógico, professor e palestrante em projetos culturais, universidades e conservatórios. Professor visitante da Universidade Federal da Paraíba por dois anos, contribuiu para a consolidação da recém-criada Orquestra Sinfônica da UFPB.

Marcos Arakaki é regente associado da Filarmônica de Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011, com destacada atuação nos concertos para formação de público. É autor do livro A História da Música Clássica Através da Linha do Tempo, lançado em 2019.

Sobre a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Criada em 2008, desde então a Filarmônica de Minas Gerais se apresenta regularmente em Belo Horizonte. Em sua sede, a Sala Minas Gerais, realiza 57 concertos de assinatura e 12 projetos especiais. Apresentações em locais abertos acontecem nas turnês estaduais e nas praças da região metropolitana da capital. Em viagens para fora do estado, a Filarmônica leva o nome de Minas ao circuito da música sinfônica. Através do seu site, oferece ao público diversos conteúdos gratuitos sobre o universo orquestral. O impacto desse projeto artístico, não só no meio cultural, mas também no comércio e na prestação de serviços, gera em torno de 5 mil oportunidades de trabalho direto e indireto a cada ano. Sob a direção artística e regência titular do maestro Fabio Mechetti, a Orquestra conta, atualmente, com 90 músicos provenientes de todo o Brasil, Europa, Ásia, Américas Central e do Norte e Oceania, selecionados por um rigoroso processo de audição. Reconhecida com diversos prêmios culturais e de desenvolvimento econômico, ao encerrar seus 10 primeiros anos de história, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais recebeu a principal condecoração pública nacional da área da cultura. Trata-se da Ordem do Mérito Cultural 2018, concedida pelo Ministério da Cultura, a partir de indicações de diversos setores, a realizadores de trabalhos culturais importantes nas áreas de inclusão social, artes, audiovisual e educação. A Orquestra foi agraciada, ainda, com a Ordem de Rio Branco, insígnia diplomática brasileira cujo objetivo é distinguir aqueles cujas ações contribuam para o engrandecimento do país.

O corpo artístico Orquestra Filarmônica de Minas Gerais é oriundo de política pública formulada pelo Governo do Estado de Minas Gerais. Com a finalidade de criar a nova orquestra para o Estado, o Governo optou pela execução dessa política por meio de parceria com o Instituto Cultural Filarmônica, uma entidade privada sem fins lucrativos qualificada com os títulos de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) e de Organização Social (OS), um modelo de gestão flexível e dinâmico, baseado no acompanhamento e avaliação de resultados.

SERVIÇO:

Clássicos na Praça – Especial Dia das Mães 
12 de maio – 15h
Museu Inhotim, Brumadinho (MG)

  • Marcos Arakaki, regente
  • CLARKE/Westermann   A marcha do Príncipe da Dinamarca (trompete voluntário)
  • MOZART                      Sinfonia nº 40 em sol menor, K. 550: Molto allegro
  • BEETHOVEN                 Egmont, op. 84: Abertura
  • SUPPÉ                         Poeta e Camponês: Abertura
  • SAINT-SAËNS               Dança Macabra, op. 40
  • DVORÁK                      Abertura Carnaval, op. 92
  • NEPOMUCENO            Serenata para cordas
  • FERNANDEZ                 Batuque
  • MAESTRO DUDA          Suíte Nordestina

O concerto é gratuito para os visitantes do Inhotim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here